Antônio Bandeira




Sem título
aquarela
1954 - 15 x 9


Currículo Resumido

Antonio Bandeira (1922 - 1967)

Pintor, desenhista, gravador.

"Nunca pinto quadros. Tento fazer pintura. Meu quadro é sempre uma seqüência do quadro que já foi elaborado para o que está sendo feito no momento, indo esse juntar-se ao que vai nascer depois. Talvez gostasse de fazer quadros em circuitos, e que eles nunca terminassem e acredito que nunca terminarão mesmo".

Antonio Bandeira.
In: “Antonio Bandeira, um raro”; Vera Novis; Salamandra; RJ, 1996. p.68-69.

“Nunca pinto quadros. Tento fazer pintura”. Essas duas frases pronunciadas pelo nosso pintor cearense mostram seu intento de pintar pela “pintura em si” e não pelo assunto ou sua representação.

Inicialmente (1941-1945) participou da fundação do “Centro Cultural de Belas Artes” que em 1944 se transformou na “Sociedade Cearense de Belas Artes”, contando com a participação de Inimá de Paula, Aldemir Martins, João Maria Siqueira e Francisco Barbosa Leite – entre outros – participando das primeiras edições dos Salões de Artes Plásticas sendo premiado, em 1944, com a medalha de ouro.

1945: Seguindo conselho de Jean-Pierre Chabloz – Suíça, 1910 – Fortaleza, 1984. Pintor, desenhista, crítico de arte, músico, professor e publicitário formado, em 1938, pela Accademia Belle Arti di Brera, Milão. Chega ao Brasil em 1940 e trabalha em Fortaleza em 1943... – parte para o RJ em 1945. Diz-nos Bandeira através de um eficaz, porém triste princípio: “O único meio é emigrar. (...) no nordeste até os artistas são flagelados” .

Na adolescência e juventude demonstrava grande interesse pela poética desenvolvida por Van Gogh (1853-1890) – artista tardiamente “descoberto” pelo público e crítica, 1901, ca. – iniciando sua produção artística “alla maniera” van goghiana. “Meu quarto na Rua Paissandu; ost, 75x36, RJ, 1945”, é um bom exemplo, pena que pouco reproduzido pela “media” atual.  

Em 1946, como num passe de mágica – leia-se Chabloz, Raymond Warnier e Centro de Estudos Franceses-RJ – recebeu uma bolsa de estudo e estava a bordo de um cargueiro que o conduziria a Paris e em pouco tempo se transformaria no “Monsieur Banderrà de Saint-Germain-des-Prés[4]”; bairro aquele, que desde o século XVII, se encontrava ligado à vida intelectual da cidade. Com a oportunidade, estudou “École Superieure des Beaux Arts” e na “Académie de la Grande Chaumière[5] dedicando-se, principalmente ao desenho. Participou do “Salon d’Automne – 1947”, do “Salon d’Art Libre – 1948”, da exposição “La rose des Vents” e “Black and White” na “Galerie des Deux Îles” em 1948 e 1949, do “Salon de Mai – 1949” em preparação para sua primeira exposição individual na “Galerie du Siècle” em 1950.
Grupo Banbryols: Devo muito a Wols.
Mas é sobretudo a paris que sou reconhecido.
(...) Com Wols e Bryen – o poeta-pintor – passei o melhor e mais fecundo período da minha estada na França[6].

Antonio Bandeira.

Além da sua exposição individual, o aparecimento do “Salon de Réalités Nouvelles – 1952, 53, 56 e 58” que havia sido criado para a apresentação de obras não figurativas; ovvero, de abstracionismo geométrico e depois, de abstracionismo informal, proporcionou novo ambiente exposito.

Na mesma época conheceu o pintor e poeta Camille Bryen (1907-1977) e através dele o abstracionismo informal; herança de Gauguin, Van Gogh e Cézanne, filtradas pelos consagrados Matisse, Kirchner e Picasso, que seguiu após experimentar o “fovismo nas cores” e o “cubismo na forma”. Em pouco tempo, Bandeira romperia com o ensino tradicional, juntando-se a Wols (pseudônimo de Alfred Otto Wolfgang Schulze, foi um pintor alemão; 1913-1951) Camille Bryen (pintor, poeta e gravador ligado ao Tacxhismo; 1907-1977) dando origem ao grupo “Banbryols”, iniciais dos nomes dos três pintores. O grupo duraria de 1949 a 1951, quando Wols morreu.

Retornou ao Brasil (1951) e no mesmo ano expos MAM-SP onde confrontou o público com sua nova linguagem “abstrato-concreta”  que apontava para o “abstracionismo informal” que viera a substituir o “expressionismo van goghiano” fortalezense. Em 1953, ganhou o concurso para o cartaz da “II Bienal Internacional de São Paulo” e no ano seguinte partiu para sua segunda temporada européia.

Dedicou-se ao “abstracionismo absoluto” – não aquele que pudesse ser confundido com o cubismo ou futurismo – mas sim àquele que é geralmente entendido como uma manifestação que não representa objetos próprios da nossa realidade concreta. Usava cores, linhas e superfícies para compor a realidade da obra, de uma maneira "não representacional", despertando “emoções” e “sensações diferentes” em cada pessoa; daí, seu relacionamento com o “Expressionismo”. O movimento abraçado por Bandeira foi, sem dúvida, uma cisão cirúrgica com a arte renascentista das “Academias”, que tentavam prolongar indefinidamente sua trajetória greco-romana e, ao mesmo tempo, afugentar o “abstracionismo geométrico”.

Depois de cerca de cinco anos na Europa, nosso artista retorna ao Brasil para uma estadia prevista de seis meses que se estendeu por cinco anos! Continua exercendo atividade artística extraordinariamente intensa, viaja pelo território nacional; e, a partir de 1960 quando Alfredo e Giovanna Bonino abrem a galeria no RJ, novo incremento é dado à obra de Bandeira. Participa também de importantes exposições, em paralelo a mostras em Paris, Munique, Verona, Londres e Nova York.

Em 1961, edita um álbum de poemas e litogravuras de sua autoria, e, no mesmo ano, João Siqueira realiza um curta-metragem sobre a obra do pintor.

Exposições

950 - Paris (França) - Individual, na Galerie du XX Siècle
1951 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na ABI
1951 - São Paulo SP - Individual, no MAM/SP
1953 - São Paulo SP - Individual, no MAM/SP
1954 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na ABI
1954 - São Paulo SP - Individual, no MAM/SP
1955 - Londres (Inglaterra) - Individual, na Galeria Obelisk
1955 - São Paulo SP - Antonio Bandeira: guaches, no MAM/SP
1956 - Paris (França) - Individual, na Galerie Edouard Loeb
1957 - Nova York (Estados Unidos) - Individual, na Gallery Seventy-Five
1960 - Salvador BA - Individual, no MAM/BA
1961 - Fortaleza CE - Individual, no Museu de Arte da UFCE
1961 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Galeria Gead
1961 - São Paulo SP - Antonio Bandeira: guaches, na Galeria São Luís
1962 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Galeria Bonino
1963 - Fortaleza CE - Individual, no Museu de Arte da UFCE
1963 - Salvador BA - Individual, na Galeria Querino
1964 - São Paulo SP - Pintura de Antonio Bandeira: óleos e guaches, na Galeria Atrium


1942 - Fortaleza CE - 1º Salão de Abril - medalha de ouro
1943 - São Paulo SP - 9º Salão Paulista de Belas Artes, na Galeria Prestes Maia - medalha de bronze
1945 - Rio de Janeiro RJ - Grupo Cearense, na Galeria Askanasy
1947 - Paris (França) - Salão de Outono, no Grand Palais
1948 - Paris (França) - Salão de Arte Livre
1949 - Paris (França) - Grupo Banbryols, na Galerie des Deux-Iles
1950 - Salvador BA - 2º Salão Baiano de Belas Artes, na Galeria Belvedere da Sé
1951 - São Paulo SP - 1ª Bienal Internacional de São Paulo, no Pavilhão do Trianon
1951 - Rio de Janeiro RJ - 57º Salão Nacional de Belas Artes - Divisão Moderna, no MNBA - medalha de bronze
1952 - Paris (França) - 38º Salão de Maio
1952 - Paris (França) - Salon Réalités Nouvelles
1952 - Rio de Janeiro RJ - 1º Salão Nacional de Arte Moderna, no MAM/RJ
1952 - Rio de Janeiro RJ - Exposição de Artistas Brasileiros, no MAM/RJ
1952 - Veneza (Itália) - 26ª Bienal de Veneza
1953 - Paris (França) - Salon Réalités Nouvelles
1953 - Petrópolis RJ - 1ª Exposição Nacional de Arte Abstrata, no Hotel Quitandinha
1953 - Rio de Janeiro RJ - 4º Salão de Naturezas Mortas, no Theatro Municipal
1953 - São Paulo SP - 2ª Bienal Internacional de São Paulo, no Pavilhão dos Estados - Prêmio Fiat
1954 - Rio de Janeiro RJ - Salão Preto e Branco, no Palácio da Cultura
1954 - São Paulo SP - 3º Salão Paulista de Arte Moderna, na Galeria Prestes Maia
1954 - Veneza (Itália) - 27ª Bienal de Veneza
1955 - Paris (França) - A Arte na França e no Mundo, no Musée d'Art Moderne de la Ville de Paris
1955 - São Paulo SP - 3ª Bienal Internacional de São Paulo, no Pavilhão das Nações
1956 - Paris (França) - Salon Réalités Nouvelles
1957 - Paris (França) - 50 Ans de Peinture Abstraite, na Galerie Greuze
1959 - Leverkusen (Alemanha) - Primeira Exposição Coletiva de Artistas Brasileiros na Europa
1959 - Munique (Alemanha) - Primeira Exposição Coletiva de Artistas Brasileiros na Europa, na Kunsthaus
1959 - São Paulo SP - 5ª Bienal Internacional de São Paulo, no Pavilhão Ciccilo Matarazzo Sobrinho
1959 - Viena (Áustria) - Primeira Exposição Coletiva de Artistas Brasileiros na Europa
1960 - Hamburgo (Alemanha) - Primeira Exposição Coletiva de Artistas Brasileiros na Europa
1960 - Lisboa (Portugal) - Primeira Exposição Coletiva de Artistas Brasileiros na Europa
1960 - Madri (Espanha) - Primeira Exposição Coletiva de Artistas Brasileiros na Europa
1960 - Paris (França) - Primeira Exposição Coletiva de Artistas Brasileiros na Europa
1960 - São Paulo SP - Coleção Leirner, na Galeria de Arte das Folha
1960 - Utrecht (Holanda) - Primeira Exposição Coletiva de Artistas Brasileiros na Europa
1960 - Veneza (Itália) - 30ª Bienal de Veneza
1961 - Aschaffenburg (Alemanha) - Exposição Internacional de Aschaffenburg
1961 - Rio de Janeiro RJ - 1º O Rosto e a Obra, na Galeria Ibeu Copacabana
1961 - São Paulo SP - 6ª Bienal Internacional de São Paulo, no Pavilhão Ciccilo Matarazzo Sobrinho
1962 - São Paulo SP - Seleção de Obras de Arte Brasileira da Coleção Ernesto Wolf, no MAM/SP
1963 - Campinas SP - Pintura e Escultura Contemporâneas, no Museu Carlos Gomes
1963 - Crato CE - Civilização Nordeste, no Museu da Universidade do Ceará
1963 - Rio de Janeiro RJ - 1º Resumo de Arte JB, no Jornal do Brasil
1964 - Rio de Janeiro RJ - O Nu na Arte Contemporânea, na Galeria Ibeu Copacabana
1964 - Veneza (Itália) - 32ª Bienal de Veneza
1965 - Bonn (Alemanha) - Arte Brasileira Atual
1965 - Bruxelas (Bélgica) - Artistes Latino-Américains, no Palais de Beaux-Arts
1965 - Londres (Inglaterra) - Brazilian Art Today, na Royal Academy of Arts
1965 - Madri (Espanha) - L'Oeil de Boeuf
1965 - New Orleans (Estados Unidos) - Artistas do Brasil
1965 - Paris (França) - Exposition d'Art Latino Americain à Paris, no Musée d'Art Moderne de la Ville de Paris
1965 - Viena (Áustria) - Arte Brasileira Atual
1966 - Bruxelas (Bélgica) - Arte Brasileira Contemporânea, no Palais de Beaux-Arts
1966 - Paris (França) - Artistes Brésiliens de Paris, na Galerie Debret
1966 - Rio de Janeiro RJ - Auto-Retratos, na Galeria Ibeu Copacabana


1968 - Fortaleza CE - Individual, no Museu de Arte da UFCE
1968 - Paris (França) - Salon Comparaisons
1969 - Rio de Janeiro RJ - Antonio Bandeira: retrospectiva, no MAM/RJ
1970 - São Paulo SP - Pinacoteca do Estado de São Paulo 1970
1971 - Paris (França) - Bandeira à Paris, na Galerie Debret
1972 - São Paulo SP - A Semana de 22: antecedentes e conseqüências, no Masp
1976 - São Paulo SP - O Desenho Jovem dos Anos 40, na Pinacoteca do Estado
1977 - Rio de Janeiro RJ - Antonio Bandeira Caminho da Abstração: guaches e desenhos, na Galeria Luiz Buarque de Holanda e Paulo Bittencourt
1977 - São Paulo SP - Mostra de Arte, no Grupo Financeiro BBI
1978 - São Paulo SP - As Bienais e a Abstração: a década de 50, no Museu Lasar Segall
1980 - São Paulo SP - Mestres do Abstracionismo Lírico no Brasil, na Galeria Eugenie Villien
1981 - Rio de Janeiro RJ - Universo do Carnaval: imagens e reflexões, na Acervo Galeria de Arte
1982 - Lisboa (Portugal) - Brasil 60 Anos de Arte Moderna: Coleção Gilberto Chateaubriand, no Centro de Arte Moderna José de Azeredo Perdigão
1982 - Londres (Inglaterra) - Brasil 60 Anos de Arte Moderna: Coleção Gilberto Chateaubriand, na Barbican Art Gallery
1982 - Rio de Janeiro RJ - Universo do Futebol, no MAM/RJ
1982 - Salvador BA - A Arte Brasileira da Coleção Odorico Tavares, no Museu Carlos Costa Pinto
1983 - Rio de Janeiro RJ - 6º Salão Nacional de Artes Plásticas, no MAM/RJ
1983 - Rio de Janeiro RJ - Auto-Retratos Brasileiros, na Galeria de Arte Banerj
1984 - Rio de Janeiro RJ - 1ª Exposição Nacional de Arte Abstrata-Hotel Quitandinha 1953, na Galeria de Arte Banerj
1984 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Galeria Bonino
1984 - São Paulo SP - Coleção Gilberto Chateaubriand: retrato e auto-retrato da arte brasileira, no MAM/SP
1984 - São Paulo SP - Tradição e Ruptura: síntese de arte e cultura brasileiras, na Fundação Bienal
1985 - Paris (França) - Mostra, na Galeria Broomhead
1985 - Rio de Janeiro RJ - 8º Salão Nacional de Artes Plásticas, no MAM/RJ
1985 - Rio de Janeiro RJ - Seis Décadas de Arte Moderna: Coleção Roberto Marinho, no Paço Imperial
1985 - São Paulo SP - 18ª Bienal Internacional de São Paulo, na Fundação Bienal
1986 - Rio de Janeiro RJ - Coleção de Trinta Guaches de Antonio Bandeira: fase Paris, na Ralph Camargo Consultoria de Arte
1986 - Rio de Janeiro RJ - JK e os Anos 50: uma visão da cultura e do cotidiano, na Galeria Investiarte
1986 - São Paulo SP - Antonio Bandeira e Bernard Quentin, na Paulo Figueiredo Galeria de Arte
1987 - Paris (França) - Modernidade: arte brasileira do século XX, no Musée d'Art Moderne de la Ville de Paris
1987 - Rio de Janeiro RJ - Ao Colecionador: homenagem a Gilberto Chateaubriand, no MAM/RJ
1987 - São Paulo SP - O Ofício da Arte: pintura, no Sesc
1988 - Rio de Janeiro RJ - Hedonismo: Coleção Gilberto Chateaubriand, na Galeria Edifício Gilberto Chateaubriand
1988 - São Paulo SP - A Mão Afro-Brasileira, no MAM/SP
1988 - São Paulo SP - MAC 25 anos: destaques da coleção inicial, no MAC/USP
1988 - São Paulo SP - Modernidade: arte brasileira do século XX, no MAM/SP
1989 - Fortaleza CE - Arte Brasileira dos Séculos XIX e XX nas Coleções Cearenses: pinturas e desenhos, no Espaço Cultural da Unifor
1989 - Lisboa (Portugal) - Seis Décadas de Arte Moderna Brasileira: Coleção Roberto Marinho, no Centro de Arte Moderna José de Azeredo Perdigão
1989 - São Paulo SP - 20ª Bienal Internacional de São Paulo, na Fundação Bienal
1990 - Rio de Janeiro RJ - Antonio Bandeira: guaches e aquarelas dos anos 50, na Bolsa de Arte
1991 - Curitiba PR - Museu Municipal de Arte: acervo, no Museu Municipal de Arte
1991 - Fortaleza CE - Scap: 50 anos, no Imperial Othon Palace Hotel
1991 - Rio de Janeiro RJ - Antonio Bandeira Guaches Inéditos: Coleção Particular Fronteira Arte e Hotelaria, na Bookmakers
1992 - Rio de Janeiro RJ - 1º A Caminho de Niterói: Coleção João Sattamini, no Paço Imperial
1992 - Rio de Janeiro RJ - Natureza: quatro séculos de arte no Brasil, no CCBB
1992 - São Paulo SP - Antonio Bandeira 70 Anos, na Dan Galeria
1992 - São Paulo SP - O Olhar de Sérgio sobre a Arte Brasileira: desenhos e pinturas, na Biblioteca Municipal Mário de Andrade
1992 - São Paulo SP - Primeiro Aniversário da Grifo Galeria de Arte, na Grifo Galeria de Arte
1992 - Zurique (Suíça) - Brasilien: entdeckung und selbstentdeckung, no Kunsthaus Zürich
1993 - São Paulo SP - O Desenho Moderno no Brasil: Coleção Gilberto Chateaubriand, na Galeria de Arte do Sesi
1993 - São Paulo SP - Obras para Ilustração do Suplemento Literário: 1956-1967, no MAM/SP
1994 - Rio de Janeiro RJ - O Desenho Moderno no Brasil: Coleção Gilberto Chateubriand, no MAM/RJ
1994 - São Paulo SP - Arte Moderna Brasileira: uma seleção da Coleção Roberto Marinho, no Masp
1994 - São Paulo SP - Bienal Brasil Século XX, na Fundação Bienal
1995 - Rio de Janeiro RJ - Retrospectiva de Antonio Bandeira, no MAM/RJ
1995 - São Paulo SP - Retrospectiva de Antonio Bandeira, no Masp
1996 - São Paulo SP - Arte Brasileira: 50 anos de história no acervo MAC/USP: 1920-1970, no MAC/USP
1997 - Porto Alegre RS - Exposição do Acervo da Caixa, no Conjunto Cultural da Caixa
1997 - Porto Alegre RS - Exposição Paralela, no Museu da Caixa Econômica Federal
1997 - São Paulo SP - Exposição do Acervo da Caixa, no Conjunto Cultural da Caixa
1997 - São Paulo SP - Grandes Nomes da Pintura Brasileira, na Jo Slaviero Galeria de Arte
1998 - Curitiba PR - Exposição do Acervo da Caixa, no Conjunto Cultural da Caixa
1998 - Fortaleza CE - Individual, no Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura
1998 - Rio de Janeiro RJ - Exposição do Acervo da Caixa, no Conjunto Cultural da Caixa
1998 - São Paulo SP - Coleção MAM Bahia: pinturas, no MAM/SP
1998 - São Paulo SP - O Moderno e o Contemporâneo na Arte Brasileira: Coleção Gilberto Chateaubriand - MAM/RJ, no Masp
1998 - São Paulo, SP - Coleção MAM Bahia: pinturas, no MAM/SP
1999 - Fortaleza CE - Antonio Bandeira: pinturas e desenhos, na Galeria Multiarte
1999 - Salvador BA - 60 Anos de Arte Brasileira, no Espaço Cultural da Caixa Econômica Federal
1999 - São Paulo SP - Cotidiano/Arte. O Consumo, no Itaú Cultural
2000 - Brasília DF - Exposição Brasil Europa: encontros no século XX, no Conjunto Cultural da Caixa
2000 - Lisboa (Portugal) - Século 20: arte do Brasil, no Centro de Arte Moderna José de Azeredo Perdigão
2000 - Rio de Janeiro RJ - Quando o Brasil Era Moderno: artes plásticas no Rio de Janeiro de 1905 a 1960, no Paço Imperial
2000 - São Paulo SP - Brasil + 500 Mostra do Redescobrimento, na Fundação Bienal
2001 - Brasília DF - Coleções do Brasil, no CCBB
2001 - Rio de Janeiro RJ - Aquarela Brasileira, no Centro Cultural Light
2001 - São Paulo SP - 4 Décadas, na Nova André Galeria
2001 - São Paulo SP - Biografias Instantâneas, na Casa das Rosas
2002 - Niterói RJ - Arte Brasileira sobre Papel: séculos XIX e XX, no Solar do Jambeiro
2002 - Rio de Janeiro RJ - Arte Brasileira na Coleção Fadel: da inquietação do moderno à autonomia da linguagem, no CCBB
2002 - Rio de Janeiro RJ - Caminhos do Contemporâneo 1952-2002, no Paço Imperial
2002 - Rio de Janeiro RJ - Identidades: o retrato brasileiro na Coleção Gilberto Chateaubriand, no MAM/RJ
2002 - São Paulo SP - Arte Brasileira na Coleção Fadel: da inquietação do moderno à autonomia da linguagem, no CCBB
2002 - São Paulo SP - Espelho Selvagem: arte moderna no Brasil da primeira metade do século XX, Coleção Nemirovsky, no MAM/SP
2002 - São Paulo SP - Modernismo: da Semana de 22 à seção de arte de Sérgio Milliet, no CCSP
2003 - Belém PA - 22º Salão Arte Pará, no Museu de Arte do Pará
2003 - Brasília DF - Arte Brasileira na Coleção Fadel: da inquietação do moderno à autonomia da linguagem, no CCBB
2003 - Rio de Janeiro RJ - Autonomia do Desenho, no MAM/RJ
2003 - Rio de Janeiro RJ - Ordem x Liberdade, no MAM/RJ
2003 - Rio de Janeiro RJ - Tesouros da Caixa: arte moderna brasileira no acervo da Caixa, no Conjunto Cultural da Caixa
2003 - São Paulo SP - Arteconhecimento: 70 anos USP, no MAC/USP
2004 - Rio de Janeiro RJ - O Século de um Brasileiro: Coleção Roberto Marinho, no Paço Imperial
2004 - São Paulo SP - Abstração como Linguagem: perfil de um acervo, na Pinakotheke
2004 - São Paulo SP - Gesto e Expressão: o abstracionismo informal nas coleções JP Morgan Chase e MAM, no MAM/SP
2004 - São Paulo SP - Sala do Acervo, na Ricardo Camargo Galeria
2005 - Petrópolis RJ - Expresso Abstrato, no Museu Imperial
2005 - São Paulo SP - O Século de um Brasileiro: Coleção Roberto Marinho, no MAM/SP


Não Informado

Firenze Galeria de Arte
Rua Gonçalves Dias, 1866 - Lourdes | BH - MG - CEP: 30140-092 | Tel.: (31) 3291-2343 - galeriafirenze@galeriafirenze.com.br