Alex Cerveny





Currículo Resumido


Alex Cerveny 

O apuro técnico é um denominador comum na obra de Alex Cerveny. Ele não se prende a uma única técnica ou material: desenhos, esculturas, pinturas, bordados, colagens, cerâmicas, fotografias e gravuras, estão presentes em sua obra.

Como tema, utiliza-se de referências históricas, “algumas delas biográficas, como as figuras retorcidas e elásticas – lembranças de sua vivência de artista circense; outras literárias, e outras, ainda, dos meios de comunicação em massa, criando uma intrigada alegoria” (Bienal Naïfs, 2010).

Valoriza o processo de trabalho e o diálogo entre suas obras. Como resumiu o artista, “Eu me sinto mais um escritor que escreve imagens, me sinto mais um cronista que um artista. A tradição que me agrada na arte é essa de contar histórias, como retábulos, como os muros assírios que contam histórias de batalhas...”

Alexandro Júlio de Oliveira Cerveny nasceu em São Paulo em 1963. Seus pais, um arquiteto e uma professora especializada em ensino para cegos, foram os primeiros responsáveis por seu interesse pelas artes. O pai, apresentando e fornecendo a ele os vários materiais disponíveis para se expressar através do desenho e a mãe lhe ensinando que as pessoas poderiam ter diferentes formas de olhar e observar o mundo ao seu redor – as distintas formas de visão.

Iniciou seus estudos em uma escola de método experimental (Grupo Escolar e Ginásio Experimental Dr. Edmundo de Carvalho), na Lapa, que se destacava no meio pedagógico, graças à atuação de educadores e pesquisadores como Terezinha Fran, Diva F. Sgueglia, Ana Maria Popovic entre outros. A escola desde cedo lhe proporcionou uma abertura para novas ideias e para as artes.


Nos anos 1970, conheceu Valdir Sarubbi, na ocasião seu professor de teatro no grupo Experimental. Como educador, Sarubbi incentivava seus alunos a desfrutarem da biblioteca e da discoteca que mantinha em seu ateliê, para desenvolverem o gosto pela literatura e música.

Com ele aprendeu que a arte – o desenho, a escultura, o teatro – deve expressar a percepção interior de cada um. Dizia ele que “o importante não é o engajamento do artista dentro da tendência ou movimentos específicos, mas uma visão aberta de quem olha a obra de arte para apreciá-la naquilo que ela apresenta de sensível, seja sobre que forma for” (BITTAR, 2002). Essa ideia foi marcante para a formação de Alex Cerveny.

Aos 14 anos, conseguiu um emprego temporário no estúdio-fábrica do artista Nelson Leirner. Apesar do curto período ali passado, este foi seu primeiro contato com a arte contemporânea.

Outro aprendizado importante, que mais tarde veio a influenciar a temática de suas obras, foi sua aproximação do circo. Foi aluno da Academia Piolim de Artes Circenses e do Circo Escola Picadeiro. Lá desenvolveu um personagem, Elvis Elástico, o homem de plástico, fazendo apresentações de contorcionismo acrobático.

Nos anos 1980, Sarubbi observou o interesse que as gravuras de Saint-Clair Cemin, Ubirajara Ribeiro, Evandro Carlos Jardim, entre outros, despertavam em seu aluno, e já assistente. Por sua orientação, Alex Cerveny passou então a frequentar a oficina de gravura de Selma Daffré. Lá, além de trabalhar como aprendiz, foi impressor e, mais, tarde, deu aulas de gravura. Desde então mesclou suas atividades artísticas ao ensino do desenho, pintura e técnicas de gravura.


Folha de S.Paulo

Firenze Galeria de Arte
Rua Gonçalves Dias, 1866 - Lourdes | BH - MG - CEP: 30140-092 | Tel.: (31) 3291-2343 - galeriafirenze@galeriafirenze.com.br